terça-feira, 18 de agosto de 2009

Muqueca paraense do cartunista André Abreu

A essência não muda: André
Abreu, um ex-militar, que se transformou num grande
mestre cuca do cartum.
André, na época da farda, numa
operação boina, comia pescoço de galinha cru. Foi o suficiente para sua
macrobiótica levar o farelo. Hoje, longe do militarismo, milita apenas na cozinha e na prancheta desenhando cartuns, e preparando pratos deliciosos para os amigos...
...André Abreu convidou três cartunistas para um almoço domingo
passado em seu apartamento,
Waldez, Casso e J.Bosco.
Chegamos meio dia, hora marcada de quartel. Cada cartunista, ficou incubido de levar oferendas para o seu rei. Levamos um kit completo, para não decepcionar sua majestade. Caricaturas e livros agradaram.
Todos no front, começa a guerra da gula...Uma panela de barro com uma vistosa muqueca paraense, feita
pelas próprias mãos de André Abreu.
Depois foi servido um arroz paraense recheado de camarão rosa.
Em seguida, cervejas, sucos, um açai grosso, que até uma colher ficava em pé no meio da papa.
Dona Rosa, mãe do rei, André Abreu, comandava a simpatia na mesa. Darlene Abreu, sua esposa
tomava açaí e ao mesmo tempo tirava fotos da reunião. Waldez, fazia cara de besta e pescava na panela de barro só os camarões graúdos. Casso, meio leso, fazia certos uivos estranhos, que parecia um lobo perdido na alcatéia.
Eu super educado, perdia os camarões,enquanto chegava cerveja de todos os lados.
No fundo, músicas de qualidade. André tem um bom gosto musical, soltava pra gente umas pérolas
do passado, como Anísio Silva, Dolores Duran, Dalva de Oliveira,
Raul Seixas, The Doors, Cauby, Altemar Dutra. O dia parecia pequeno, pra tanto bate papo sobre tudo, menos de cartum...
Na verdade, o motivo dessa confraria, seria o projeto de um livro de cartuns com três cartunistas. O tempo foi curto. Os rapazes ficaram hipnotizados com a muqueca na
panela de barro, a ponto de esquecer o que estava pautado.

12 comentários:

Waldez disse...

meu deus, agora que lembrei o que na verdade iamos fazer lá, falar do novo projeto, só marcando outra panqueca ao molho de nanquim...ahaha

Waldez disse...

Se você acha que tem pouca sorte
Se lhe preocupa a doença ou a morte
Se você sente receio do inferno
Do fogo eterno
De Deus, do mal
Eu sou estrela no abismo do espaço
...essa tocou por lá.

J.BOSCO disse...

Waldez, afinal nós tínhamos um projeto para ser discutido no domingo, a muqueca paraense atrapalhou tudo...rsss
abraços e segue o enterro!!!!

andré abreu disse...

O que eu como a prato pleno
Bem pode ser o seu veneno
Mas como vai você saber... sem provar?

rsrsr

abs

J.BOSCO disse...

Mista ou simplicialista,eu sou ego, eu sou ista,eu sou ego,eu sou ista,eu sou egoísta...rsss
abraços e segue o enterro!!

Allana disse...

O que parecia improvavel aconteceu, estou aqui no blog para agradecer e prestigiar novamente a deliciosa iguaria preparada por André Abreu, ele que é topografo, ex- militar , cartunista, mestre cuca,geólogo e por ai vai...
Abraço. =)

J.BOSCO disse...

Depois desse comentário Allana, vou comprar outro carro pra ti...rsss
bjs

Tainá Jacó disse...

Parece ser deliciosa mesmo! ficaria com certeza mais gostoso se servida lá em Ajuruteua hein tio??

J.BOSCO disse...

Tainá,o André Abreu vai fazer uma muqueca paraense lá em Ajuruteua, vamos todos em setembro...rsss
abs

Biratan Porto disse...

Pô , Bosco. Já salivei aqui dois litros d'agua.Diz pro andré que que isso é uma tortura chinesa para os pobres e esfomeados cartunistas excluidos. Já recortei a foto da caldeirada e colei em cima do minguado refogadim de Bandeirado que pesquei no Ver-O-Peso. Rsssss...
Biratan

wania disse...

fiquei com água na boca.
bjs

Marcela disse...

Que o João pinto,mais conhecido como Pintinho não ñ nos ouça,a tua moqueca é d+,kkkkk..